Quais considerações CIOs e CISOs devem ter em períodos de crise

Quais considerações CIOs e CISOs devem ter em períodos de crise?

CIOs e CISOs devem olhar para a tecnologia ao traçar um planejamento de continuidade de negócios durante pandemia do coronavírus.

Empresas de todos os setores estão em um período de transformação devido à pandemia do coronavírus. Por mais que muitas tenham iniciado — ou já se encontram em um estágio avançado — a jornada digital, CIOs e CISOs ainda têm a missão de manter a companhia funcionando.

Ou seja, esses C-Levels precisam repensar estratégias e tomar decisões de forma a implementar novos processos para reduzir os impactos — seja na produtividade das equipes ou na receita da empresa — nesse período de incertezas.

Então, o que é preciso levar em conta? A KPMG, empresa de auditoria e consultoria de negócios, divulgou uma série de considerações que CIOs e CISOs podem responder para garantir as ações necessárias que vão manter os negócios.

Abaixo, o Mundo + Tech lista as principais considerações e quais soluções os executivos podem se apoiar para gerar um impacto positivo na transformação da empresa.

Seu negócio pode funcionar de forma efetiva através de trabalho remoto?

Devido ao isolamento social, muitas empresas precisaram mudar a rotina: os colaboradores passaram a fazer home office. Então, é preciso garantir que eles consigam trabalhar de forma remota e com flexibilidade. Para CIOs e CISOs, é preciso revisar as decisões sobre acessos aos sistemas da companhia e os riscos de segurança.

  • 3 questões que você deve considerar:
  1. Você escalou a sua VPN para lidar com um grande número de acesso remoto?
  2. A infraestrutura de rede é capaz de lidar com um maior volume de acesso?
  3. O suporte técnico aos colaboradores consegue ser feito também de forma remota?
  • Qual solução pode ajudar:

A pandemia do coronavírus exigiu das empresas a criação (ou adaptação) de uma infraestrutura de VPN robusta para conseguir atender às demandas dos colaboradores. No entanto, muitas encontram ainda dificuldade em garantir uma boa conectividade fora do ambiente corporativo.

Por isso, uma VPN as a Service pode ser considerada para esses momentos. A tecnologia está na nuvem e pode ser implantada em um curto espaço de tempo, permitindo o acesso remoto aos arquivos e sistemas da sua empresa sem tantas barreiras.

A solução VPNaaS Embratel powered by Fortinet, por exemplo, é uma rede privada na nuvem com suporte de até mil usuários. O acesso aos dados e sistemas se dá via portal com protocolo de segurança SSL, sem a necessidade de instalar um agente na máquina de cada colaborador.

Você consegue escalar canais digitais para lidar com a demanda?

Você, como consumidor, provavelmente passou a usar mais os canais digitais de uma empresa ou serviço. Devido às restrições de deslocamento por conta do coronavírus, usuários passaram a ficar mais tempo conectados. Isso tem gerado novos padrões de demanda e maior tráfego em sites, aplicativos, redes sociais, etc.

  • 3 questões que você deve considerar:
  1. Clientes e outros consumidores esperam interagir com o seu negócio por meio de canais digitais. Você é capaz de escalar as suas plataformas de atendimento para lidar com essa demanda?
  2. Você depende de contact center? Os clientes poderão interagir com a sua empresa através de outros canais caso esses centros estejam fechados?
  3. Há a possibilidade do time do contact center trabalhar remotamente?
  • Qual solução pode ajudar:

O cenário atual exige uma empresa omnichannel para um usuário que já é omnichannel. Ou seja, é o momento de personalizar ainda mais o atendimento para evitar perdas de reputação e receita, como mostramos neste blog post sobre as dores do varejo.

Entretanto, se você possui um contact center e ele ainda não é omnichannel, existem soluções no mercado que integram todos os canais de atendimento da empresa para criar uma experiência única ao consumidor.

Um exemplo é a plataforma Omnichannel da Embratel. A solução unifica todos os pontos de contato disponíveis em uma única tela. Assim, você terá o histórico de interação do cliente para agilizar o atendimento nesse período de maior demanda.

Sem contar que, por estar na nuvem, a solução da Embratel pode ser instalada nas máquinas dos colaboradores, permitindo o trabalho remoto de forma segura, sem perda de produtividade e de qualidade no atendimento.

Você é capaz de escalar seus recursos de nuvem?

Embora alguns serviços mostrem demanda reduzida de recursos em nuvem, outros podem exigir uma demanda adicional. Para CIOs e CISOs, será preciso dimensionar a capacidade de computação disponível para evitar a interrupção dos processos, resultando em custos adicionais.

  • 2 questões que você deve considerar:
  1. É possível monitorar a demanda por serviços de computação em nuvem e gerenciar a alocação de recursos de maneira eficaz?
  2. Há um orçamento para custos adicionais que possam resultar na expansão ou provisionamento de outros serviços em nuvem?
  • Qual solução pode ajudar:

Não é novidade que a computação em nuvem é o principal impulsionador da transformação digital. Provavelmente a tecnologia já esteja presente no seu dia a dia, mas a solução usada está em uma cloud pública ou privada?

Antes mesmo da pandemia do coronavírus, empresas já estavam em um movimento de adoção da multicloud: é ter diferentes infraestruturas a fim de fornecer um maior portfólio de ferramentas e liberdade de alteração de escopo, arquitetura e escala dos ambientes.

Porém, se a multicloud ainda não é uma realidade na sua empresa, é possível contratar servidores sob medida, como o Cloud Server da Embratel. Isso significa alocar aplicações, arquivos e dados para uma nuvem e pagar apenas pelos recursos contratados. Ou seja, só pelo que utilizar.

O que aconteceria se houvesse um incidente cibernético?

Cibercriminosos aproveitam qualquer oportunidade para invadir sistemas. Não seria diferente com o coronavírus. Muitos grupos de hackers aproveitam o medo da pandemia para organizar ataques direcionados às empresas, como criar sites falsos, levando a um risco maior de um incidente de segurança cibernética.

  • 3 questões que você deve considerar:
  1. Você alertou a equipe sobre o aumento do risco de ataques de phishing usando o COVID-19 como isca?
  2. Quem iria lidar com incidente de segurança envolvendo os sistemas e soluções, até mesmo os que estão na nuvem, da sua empresa?
  3. É preciso mudar a abordagem para operações de segurança durante a pandemia, incluindo medidas para monitorar eventos de segurança?
  • Qual solução pode ajudar:

Nesse período de home office, a infraestrutura de rede pode demandar muito tempo da equipe de TI. Embora esses profissionais estejam cientes da necessidade em fortalecer a segurança dos ativos, monitorar possíveis ameaças e invasões deve gerar uma sobrecarga de trabalho.

Para desafogar a equipe e manter a VPN funcionando normalmente, terceirizar os serviços de segurança pode ser uma opção para o negócio. Assim, você consegue manter todos os serviços (para clientes e colaboradores) disponíveis independentemente do cenário.

Basta olhar para o portfólio de segurança da Embratel. Há diversas opções para manter sua empresa funcionando: bloqueio de tentativa de acesso não autorizado, detecção prévia de ameaças à rede e até mesmo gerenciamento e correlação de eventos de segurança.

CIOs e CISOs devem planejar a continuidade dos negócios

O coronavírus atingiu todos os setores, então, é mais importante do que nunca que CIOs e CISOs garantam as ferramentas necessárias para os colaboradores trabalharem remotamente e com segurança.

Por isso é importante ter em mente um planejamento de continuidade dos negócios (BC, na sigla em inglês para Business Continuity). O BC é o processo de criação de sistemas de prevenção e recuperação para lidar com possíveis ameaças a uma empresa.

Além da prevenção, desenvolver esse planejamento vai permitir operações contínuas antes e durante a execução da recuperação de desastres. Por exemplo, é criar e executar um “exercício de combate a incêndios” a possíveis ameaças ao seu negócio.

Os questionamentos levantados pela KPMG podem te ajudar a montar esse planejamento. Assim, será mais fácil manter o seu negócio funcionando e preparado para possíveis desastres, que vão além da pandemia do coronavírus.

Principais destaques desta matéria:

  • CIOs e CISOs devem repensar estratégias para manter empresas funcionando durante pandemia do coronavírus.
  • KPGM levantou alguns questionamentos para esses executivos considerarem nessa jornada.
  • Uso de tecnologia pode ajudar em diversas questões, como: home office, segurança dos dados e atendimento ao consumidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *