Transformação Digital

4 dicas para inovar em cenários de adversidades

23/04/2021

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Executivo da PwC explica como empresas podem inovar de forma ágil, lançando novos produtos e serviços e gerando receitas.

Inovar pode ser uma meta diferente para cada empresa. Para umas é lançar novos produtos com agilidade no mercado, enquanto outras querem focar na experiência do cliente. Porém, qualquer que seja a estratégia de cada companhia, às vezes é preciso sair da zona de conforto.

Quer melhor exemplo sobre “furar a bolha” do que a pandemia de COVID-19? Do ponto de vista de negócios, a crise sanitária forçou muitas organizações a se apoiarem na tecnologia para diferentes fins: da adoção de uma novidade, à reinvenção ou inovação em um curto espaço de tempo.

Em 2020, vimos um boom de lojas físicas no Brasil criarem seu próprio comércio eletrônico. Empresas de contact center perceberam que era possível seus colaboradores trabalharem de casa, como mostramos no Embratel Talks abaixo:

Apesar das inúmeras possibilidades que a tecnologia trouxe às organizações, muitas ainda não estão confiantes quanto a identificar novas oportunidades. Uma pesquisa da PwC mostrou que 56% das empresas sentem a dor de não saberem como gerar novas receitas com inovação.

Como, então, mudar esse cenário?

Tom Puthiyamadam, líder de consultoria de mercado de consumo e líder de produto digital da PwC, destaca que é preciso focar e integrar três pilares: Negócios, Experiências e Tecnologias (BXT, na sigla em inglês para Business, Experience & Technology).

Esse framework pode ser explicado como:

  • Business: como criar valor.
  • Experience: como colocar pessoas no centro de tudo.
  • Technology: como a tecnologia possibilita a inovação.

Ao site InformationWeek, Puthiyamadam ainda citou 4 dicas que vão ajudar a trilhar esse método BTX. Confira abaixo.

Passo 1: Identifique a necessidade e depois entregue a solução

As chances de ideias de produtos darem errado são grandes: 95%, de acordo com Clayton Christensen, professor da Harvard Business School. Então, o que é preciso para fazer parte dos 5% de projetos que dão certo?

Puthiyamadam explica que o primeiro passo é identificar o que os clientes realmente precisam. Uma pergunta que ele cita é: qual é a dor que você está resolvendo? Para ele, apesar de ser uma questão bem óbvia, muitas empresas não conseguem respondê-la corretamente.

E o motivo é que elas só buscam por respostas quando já estão criando e desenvolvendo uma solução. Por isso é importante ter uma postura proativa, em que será possível se antecipar às necessidades do cliente rapidamente e quando for preciso.

Um exemplo aconteceu ano passado, quando diversas montadoras de automóveis se ofereceram para produzir ou consertar aparelhos respiratórios para ajudar hospitais no combate ao novo coronavírus. Como destaca Puthiyamadam, todas as indústrias estão prontas para evoluir e inovar, independentemente do tamanho do projeto.

Outro ponto que o líder da PwC afirma é: o mundo está se movendo mais rápido depois da pandemia ter acelerado a inovação em diversos setores. “Você não tem 18 meses para esperar o retorno. Coloque sua ideia no mercado e, em seguida, desenvolva-a.”

Passo 2: Envolva colaboradores de todos os níveis

Puthiyamadam cita uma pesquisa da PwC de 2020, em que 84% das empresas tiveram um retorno de seus investimentos digitais ao trabalharem de maneira colaborativa. E isso envolve as ideias dos funcionários de todos os setores e não somente de um específico.

O executivo afirma que os líderes não devem ter uma abordagem de “venda” quando estiverem buscando apoio. “Pense no seu processo, serviço ou produto como um rascunho em constante atualização”, diz o líder da PWC.

Isso significa também trabalhar com um grupo amplo e diverso. Ou seja, buscar ouvir do estagiário ao líder mais sênior.

Passo 3: Depois busque a tecnologia certa

Você identificou a dor do seu cliente, reuniu os colaboradores para pensarem qual a melhor solução. Agora, é o momento de saber quais são as ferramentas digitais certas para trabalhar o mais perfeito possível no lançamento dessa ideia.

O gerenciamento de projetos aqui será essencial, porque será preciso de uma visão 360° de todas as etapas e quem está fazendo o quê. Outro ponto é a adoção de metodologias ágeis para lançar um produto mínimo viável. Assim, é possível atualizá-lo sempre com os feedbacks dos clientes.

FIQUE POR DENTRO: O que é entrega contínua e por que sua empresa deve adotá-la?

Quer saber como trazer mais agilidade para o seu negócio? Veja a coluna Meio Digital, em parceria com a Embratel, sobre DevOps.

Passo 4: Não olhe para trás, sempre para frente

Puthiyamadam faz a seguinte citação: “os problemas não são estáticos. Muito menos as suas soluções”. Então, qualquer lançamento deverá mudar de acordo com as necessidades do cliente. O executivo da PwC ainda diz que essa atualização não precisa de uma “revisão completa.”

Ou seja, a ideia é que o negócio se adapte rápido ao cliente. Assim, é possível criar novos fluxos de receitas e aprimorar o produto ou serviço que a empresa lançou. Um exemplo é a telemedicina, que passou a estar em evidência desde 2020.

Apesar de serviços de saúde serem considerados essenciais, muitas clínicas, consultórios e hospitais passaram a disponibilizar aplicativos de atendimento. Esse modelo híbrido vai continuar por um bom tempo à medida que muitos estão se ajustando às mudanças impostas pela pandemia.

Inovar não está na moda, é uma obrigação

E se a ideia é garantir um projeto de sucesso, é preciso pensar em alguns pontos: ouvir o feedback dos clientes para melhorar os produtos e serviços, aprimorar a experiência de acordo com as necessidades dele e fazer uso da tecnologia para que esses projetos façam parte dos negócios.

“Se você puder resolver problemas mais rapidamente e com criatividade, a inovação se tornará algo instintivo. E é mais provável que ocorra o crescimento”, conclui Puthiyamadam.

Principais destaques desta matéria

  • Empresas ainda sentem dificuldades em inovar com agilidade.
  • Para executivo da PwC, inovar é investir em negócios, pessoas e tecnologias.
  • Tom Puthiyamadam dá 4 dicas para ajudar empresas a buscarem a inovação.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER