TI

Sua infraestrutura de TI está pronta para a Indústria 4.0?

30/09/2020

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Pesquisa destaca que líderes de TI acreditam que atual infraestrutura de TI não vai suportar a demanda de novos usuários, aplicativos e dados. 

Coisas inteligentesaplicativos e serviços digitais vão impulsionar o futuro dos negócios devido à grande quantidade de dados que serão gerados. Porém, todas eles vão exigir uma infraestrutura de TI robusta, capaz de suportar toda a demanda e manter a disponibilidade dessas soluções. 

Para muitos tomadores de decisão de TI, a jornada para a Indústria 4.0 tem se tornado desafiadora e as atuais infraestruturas de TI não estão preparadas para um cenário de aumento constante de usuários, de volume de dados e de requisitos de desempenho dos aplicativos

Esse consenso foi destaque no relatório Global Trend ReportHow the 4th Industrial Revolution is Changing IT, Business and the World”, conduzido pela Lumen Technologies, companhia de TI focada em soluções para a indústria. 

A pesquisa entrevistou mais de 2 mil tomadores de decisão e executivos de nível C de organizações de grande e médio porte de vários países, entre eles, o Brasil. 

Embora as pessoas entrevistadas acreditem que as empresas não estejam totalmente prontas para a Indústria 4.0, ela ainda é uma oportunidade de criar vantagem competitiva a partir de alguns casos de uso, como: 

  • Análise preditiva. 
  • Fábricas inteligentes. 
  • Telemedicina. 
  • Autoatendimento para clientes de varejo. 

Porém, o uso de soluções, que vão coletar e armazenar dados, vai exigir computação – seja ela na nuvem, na borda (Edge Computing) ou local. Assim como vai demandar conectividade, que terá papel fundamental no tempo de resposta dessas aplicações. 

Por que a infraestrutura de TI vai fazer a diferença na Indústria 4.0?

Assim como o vapor, a eletricidade e os chips de silício impulsionaram as revoluções passadas, os dados serão o principal motor da Indústria 4.0. A partir do uso de aplicativos, as empresas vão poder coletar dados de clientes em tempo real, bem como armazenar os mais relevantes. 

Isso é algo em evidência para os entrevistados pela Lumen: 94% dos participantes do Brasil concordaram que a capacidade de uma empresa em adquirir, analisar e tomar uma decisão baseada em dados será fator-chave para definir uma empresa líder em tecnologia no futuro. 

Vale destacar que o domínio no uso de dados deve ser considerado em todas as indústrias. Do robô operando no chão de fábrica de uma montadora ao uso de vestíveis, telemedicina e análise preditiva no setor da saúde. 

Hoje, empresas de todos os setores podem se moldar para desenvolver ou adaptar processos orientados a dados. Apesar disso, como citamos no tópico anterior, a conectividade fará toda a diferença nessa jornada de inovação

Isso porque, como apontam 52% dos entrevistados brasileiros, a infraestrutura de TI não está preparada para o volume de dados e para a performance necessária da próxima geração de aplicativos

Além disso, a maioria dos tomadores de decisão brasileiros acredita que um modelo centralizado de nuvem não é o ideal para suportar as demandas de aplicativos (82%) e de workloads (79%). 

O que nos leva ao quesito conectividade: 94% dos respondentes brasileiros afirmam que a tecnologia de fibra óptica é a melhor escolha para conectar e gerenciar com segurança os aplicativos e dados distribuídos. 

Em nível global, nove em cada dez líderes dizem que a infraestrutura de fibra é essencial para se conectar a uma rede de nuvem distribuída. 

Modernizando a infraestrutura para a inovação

Inovar e acompanhar as mudanças da Indústria 4.0 vai demandar a modernização da infraestrutura de TI para fornecer e orquestrar aplicativos dados distribuídos com segurança. Para as empresas, é a oportunidade de alcançar um nível ideal de proficiência em conectividade e eficácia computacional, maximizando o valor que produtos e serviços trazem para o negócio. 

Sem contar que aplicações requerem cada vez mais desempenho de rede de alta largura de banda e baixa latência. Ao mover aplicativos, cargas de trabalho e dados críticos para mais perto de onde eles são processados (no caso, dispositivos) as empresas podem se diferenciar e obter uma vantagem competitiva ao redefinir as experiências de seus clientes. 

Essa dinâmica também vai fomentar uma nova cultura nas organizações: a de segurança em primeiro lugar, tema bem recorrente aqui no Mundo + Tech

O cenário de ameaças globais está constantemente se adaptando, evoluindo e crescendo. Tanto que 92% dos tomadores de decisões de TI globais disseram que a segurança de aplicativos e dados é sua principal preocupação de TI. No Brasil, 97% concordaram com isso. 

Os entrevistados acreditam também que abordagens tradicionais de segurança baseadas em perímetro se tornam mais e mais obsoletas (81% a média global e 74% no Brasil), uma vez que os ambientes de TI estão mais complexos com o uso de aplicativos e tecnologias emergentes

Nesse cenário, além da influência da COVID-19 para a segurança crítica dos dados e da conectividade, a modernização da infraestrutura de TI terá sucesso com a adoção de tecnologias que vão dar suporte na identificação e mitigação de eventos e incidentes. 

Principais destaques desta matéria

  • Infraestrutura de TI atual não está pronta para o grande volume de dados, aponta pesquisa. 
  • Para entrevistados, desenvolver uma cultura orientada a dados se torna vantagem competitiva. 
  • Assim como ter uma conectividade que permita o gerenciamento seguro de aplicativos distribuídos em nuvem

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *