TI

O que mais o Facebook terá de fazer além de pagar a multa de US$ 5 bilhões

29/07/2019

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Multa é a maior registrada por quebra de privacidade dos usuários. Rede social terá de modificar também a sua estrutura corporativa.

O Facebook foi condenado a uma multa de US$ 5 bilhões (R$ 18,8 bilhões) por violar a privacidade dos usuários e por não cumprir uma ordem emitida em 2012 da Federal Trade Commission (FTC), autarquia do governo dos Estados Unidos responsável por fiscalizar a segurança dos dados.

O Facebook reúne os dados de 2,2 bilhões de usuários.

A multa, a maior já registrada em casos de vazamento de dados, foi confirmada no último dia 24 de julho e será paga à FTC. A sanção bilionária é apenas uma parte do acordo anunciado na última semana.

Além da multa, a autarquia exige que o Facebook faça mudanças na estrutura corporativa da empresa. Segundo reportagem do Washington Post, a rede social terá de criar um comitê independente dentro do seu conselho de administração que será responsável por supervisionar as questões envolvendo a privacidade.

Esse conselho, ao lado do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, terá de enviar relatórios trimestrais para mostrar que o acordo está sendo cumprido.

A decisão da FTC acontece após os inúmeros escândalos de vazamento de dados envolvendo o Facebook, como o da Cambridge Analytica. Para a entidade, a empresa enganava os usuários sobre o controle de privacidade dentro da rede social e permitia o uso de dados por terceiros.

O que mais o Facebook terá de fazer?

Como já falamos, o acordo não fica somente na multa e na reestruturação corporativa. Como explica o site The Verge, a empresa terá de cumprir outras obrigações — alguma delas também dizem respeito às instituições que usam os dados da rede social. Como por exemplo:

  • O número do telefone que os usuários cadastravam para aumentar a segurança não poderá mais ser usado para fins publicitários;
  • A rede social terá de realizar análises de privacidade a cada novo serviço ou produto que venha a ser desenvolvido;
  • O Facebook terá de solicitar o propósito e o certificado de uso de aplicações que queiram pegar os dados dos usuários cadastrados.

Isso pode impactar diretamente as empresas que têm os dados como core business, já que, na teoria, o Facebook só deve liberar essa base de usuários se as companhias estiverem em alinhadas aos termos de privacidade da rede social.

Confira outros destaques da semana

  • Austrália cria órgão para fiscalizar algoritmos do Facebook e Google. Segundo publicação do site Venturebeat, a entidade quer entender como empresas utilizam dados dos usuários para publicidade. Leia aqui (em inglês).
  • Onde a Inteligência Artificial pode ser aplicada? Artigo do site CIO mostra os usos mais populares da tecnologia dentro das empresas. Leia aqui.
  • Executivos C-Level conseguem liderar a transformação digital sozinhos ou precisam de equipe? Entenda mais sobre o papel de líderes digitais na inovação de uma empresa em um artigo do site CIO. Leia aqui (em inglês).
  • Por sinal, o Mundo + Tech trouxe uma explicação dos cargos C-Level mais quentes e que estão em alta na transformação digital. Leia aqui.
  • Dados anonimizados não são tão anônimos assim, segundo pesquisadores do Imperial College London. Um artigo publicado pelo time mostrou que é possível reverter dados quebrados e identificar seus donos apenas com uso de Machine Learning. Leia aqui.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *