Coronavírus: saiba como aplicativo pode alertar se usuário está em risco de infecção

Coronavírus: saiba como aplicativo pode alertar se usuário está em risco de infecção

Aplicativo utiliza sistema de monitoramento de dados do governo chinês para mostrar se pessoa esteve perto de alguém infectado pelo coronavírus.

O coronavírus já soma 1.380 mortos na China após as autoridades sanitárias do país revisarem as estatísticas na província de Hubei. Enquanto ainda não há uma cura para conter a epidemia, o governo lançou um aplicativo para alertar se uma pessoa pode estar infectada pelo vírus.

Chamada de “Close Contact Detector”, a aplicação foi desenvolvida a partir de uma parceria do governo chinês com a China Electronics Technology Group Corporation (CETC), companhia especializada no desenvolvimento de software e hardware.

Para mostrar se um usuário esteve próximo a uma pessoa ou área afetadas pelo coronavírus, a ferramenta utiliza o sistema de monitoramento de dados do governo chinês, embora a Comissão Nacional de Saúde do país não tenha detalhado como a plataforma realmente funciona.

O que se sabe do aplicativo

O desenvolvimento do “Close Contact Detector” é mais um esforço do governo chinês em usar o sistema de vigilância para conter o surto do coronavírus. Usuários podem escanear um QR Code em aplicativos como a rede social WeChat, QQ e Alipay.

Ao fazer isso, as pessoas devem enviar algumas informações pessoais para saber se eles estiveram perto de qualquer outra pessoa infectada com o vírus:

  • Nome.
  • Número de telefone.
  • Número do documento de identidade.

Assim, a plataforma vai analisar em sua base de dados se o usuário se aproximou de alguém infectado ou que supostamente esteja doente. Caso o resultado dê positivo, o aplicativo recomenda que a pessoa fique em casa e entre em contato com as autoridades.

Essa base de dados para análise, segundo a CETC, inclui dados de diversas agências do governo chinês, como: a própria Comissão Nacional de Saúde da China, o Ministério do Transporte, sistema ferroviário e a Administração de Aviação Civil

Mesmo a Comissão Nacional de Saúde da China não dando detalhes da plataforma, a autoridade garante que a colaboração entre todas essas agências foi capaz de garantir “dados precisos, confiáveis e oficiais” para o funcionamento da aplicação.

A definição de contato próximo, segundo o app

Além da aproximação de uma pessoa com outra possivelmente infectada, o aplicativo chinês vai considerar também casos em potenciais (ou seja, que há risco de infecção), como interações entre um usuário e:

  • Familiares.
  • Colegas de trabalho.
  • Cuidadores e outros profissionais de saúde
  • Passageiros e tripulantes de um trem ou avião.

Inteligência Artificial alertou sobre coronavírus

O primeiro alerta do coronavírus foi emitido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 9 de janeiro. Porém, uma startup do Canadá já tinha alertado os clientes sobre uma epidemia da doença ainda no fim de dezembro de 2019.

O caso até foi noticiado aqui no Mundo + Tech. A BlueDot, empresa canadense com soluções em monitoramento de saúde, utilizou um algoritmo próprio de Inteligência Artificial para disparar alertas sobre a infecção.

Isso foi possível porque a solução da BlueDot utilizava diversas fontes:

  • Notícias divulgadas em todo o mundo.
  • Redes de informações sobre doenças de animais e plantas.
  • Comunicados oficiais de organismos internacionais e governos.
  • Dados globais de emissão de passagens aéreas.

Principais destaques desta matéria:

  • Governo chinês desenvolveu aplicativo para controlar epidemia do coronavírus.
  • Usuário escaneia um QR Code para saber se já esteve próximo de outra pessoa infectada.
  • Aplicação utiliza sistema de monitoramento de dados de várias agências da China.
  • Coronavírus já causou 1.380 mortes no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *