OUTROS

O novo recorde da velocidade da internet e os futuros impactos para os negócios

19/07/2021

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Com linha de fibra óptica de quatro núcleos, pesquisadores do Japão conseguiram transferir dados a uma velocidade de 319 Tbps por 3 mil km — sem perda de sinal ou velocidade

O mais novo recorde de velocidade de internet voltou a ser do Japão. Na última sexta-feira foi divulgado que os pesquisadores do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação (NICT) conseguiram chegar a uma taxa de transferência de 319 terabites por segundo (Tbps)

319 Tbps é uma velocidade tão impressionante que não seria preciso nem de um mísero segundo para baixar todo o catálogo de filmes da Netflix. Com essa velocidade seria possível baixar 57 mil filmes de longa duração numa piscada de olhos. Ou então menos de três segundos para baixar todos os arquivos de áudio hospedados no Spotify — hipoteticamente falando, como bem lembrou o site Wion.  

Esse valor é quase o dobro do conseguido em 2020, quando um projeto da University College London (UCL) – que contou com a participação da brasileira Lídia Galdino, professora da instituição e pesquisadora da Royal Academy of Engineering – conseguiu uma taxa de 178 Tbps.

O site da Vice explica um pouco como o time do NICT conseguiu atingir 319 Tbps: os pesquisadores usaram uma linha de fibra óptica de quatro núcleos e dispararam um pente de laser (frequências ópticas) de 552 canais.

Esse disparo ocorreu em vários comprimentos de onda e teve ajuda de amplificadores compostos por minerais terrar raras (conjunto de 17 minerais). Todo o teste foi feito em um ambiente controlado, mas a transferência de dados chegou a uma distância de 3.001 km sem perda do sinal ou da velocidade.

Quais os impactos dessa nova velocidade de internet?

O primeiro impacto é que o time do NICT usou um fio experimental com fibras de quatro núcleos alojado em um cabo do tamanho de uma linha de fibra óptica padrão. “Essas fibras são atraentes para o uso em links de longa distância e alto rendimento”, destaca o artigo do instituto.

Uma possibilidade seria nas interconexões entre data centers localizados em diferentes países. Outra é a “disseminação de novos serviços de comunicação além do 5G”. Ou seja, a nova tecnologia já abre portas para possíveis estudos sobre o 6G e seu funcionamento.

Além disso, apesar de a fibra óptica não ser barata — “dificilmente será utilizada para baixar jogos de videogame mais rápido”, como diz o texto da Vice —, os pesquisadores acreditam haver um caso de uso. Isso porque, mesmo tendo quatro núcleos, a tecnologia desenvolvida tem o mesmo tamanho de um cabo de fibra óptica padrão.

“A nova fibra óptica pode ser cabeada com o equipamento existente e espera-se que ela possa permitir a transmissão prática de alta taxa de dados no curto prazo, contribuindo para a realização do sistema de backbone de comunicações”, cita a publicação.

As próximas etapas do projeto

A transmissão de dados a uma distância de 3.001 km foi possível porque ela foi configurada em uma espécie de loop. Os pesquisadores distribuíram os amplificadores ao longo da própria fibra óptica a uma largura de banda superior a 120 nanômetros.

Assim, o NICT espera agora desenvolver a nova fibra óptica de banda larga para entender como será possível aumentar a capacidade de transmissão das fibras que usam linhas de múltiplos núcleos e outras fibras inovadoras.

Outro ponto também do projeto é conseguir estender o alcance de transmissão para distâncias transoceânicas.

Assim como o antigo recorde, a nova fibra óptica pode trazer oportunidades para empresas que atuam no mercado de conectividade. Com maior velocidade da taxa de transferência, os amplificadores na rota de transmissão podem ser atualizados.

Isso significa menor custo, já que as organizações não precisarão colocar amplificadores para aumentar as rotas de fibra óptica – que geralmente têm intervalos de 40 a 100 km. Por conseguir ir a uma distância maior, a nova tecnologia acaba por eliminar essa barreira.

Essa é uma vantagem até mesmo para as provedoras de soluções em nuvem e que apoiam seus serviços em data center espalhados por diversos pontos geográficos. Com a nova fibra óptica, elas aumentariam ainda mais a disponibilidade e mais recursos aos clientes.

Principais destaques desta matéria

  • Japão atingiu novo recorde de transferência de velocidade de internet: 319 Tbps.
  • Além disso, velocidade chegou a uma distância de 3.001 km sem perder sinal.
  • Tecnologia pode ajudar a disseminar novos serviços de comunicação além do 5G.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER