Logo Embratel

Tudo sobre TI, Telecom e Mobilidade

beia carvalho palestra na amcham talks 2019

4 perguntas sobre o futuro para Beia Carvalho, da Five years from now

Beia Carvalho gosta de falar sobre o futuro e sobre como pessoas e empresas estarão daqui a 5 anos. Durante sua apresentação no Amcham Talks 2019, Beia elencou três grandes desafios desse século: engajar, desaprender e inovar. E lançou um alerta: o futuro é onde as empresas investem muito pouco do seu tempo. Confira a seguir a conversa exclusiva que a palestrante teve com o Mundo + Tech.

Mundo + Tech: Como será o nosso futuro?
Beia Carvalho:
Ele vai depender de quanto as pessoas estão olhando para ele. Porque quando você está vivendo uma era como a nossa, em que as mudanças deixaram de ser vagarosas e passaram a serem trépidas, esse futuro chega muito rápido e as pessoas ainda estão acostumadas com uma outra velocidade. Então quanto menos você olhar para o futuro, mas ele vai te atropelar. O futuro vai ser do jeito que as pessoas quiserem, ou seja, se elas quiserem olhar e atuar, de forma a mudar rota, ele vai ser de um jeito. Se quiser deixar ele vir, vai ser de outro jeito. De qualquer maneira você vai ser o responsável.

M+T: Então esse futuro depende das nossas ações de agora…
BC:
Depende de você hoje olhar para o futuro. E você sabe o que as pessoas falam, o que as empresas falam, o que CEOs e líderes falam? “Eu não tenho tempo para pensar no futuro”. E a pessoa fala isso muitas vezes com orgulho, do tipo “você não sabe o dia que eu tenho, a minha agenda, para pensar no futuro”. Isso é grave.

M+T: Como a gente olha para o futuro?
BC:
Começando a olhar para as tendências. Por exemplo, todo mundo ouve que vamos viver 100 anos e aí você começa a traçar caminhos. Olhar para o futuro não é que você vai fazer dinheiro hoje, mas sim no futuro. Existe uma tendência e se você não olhar para o futuro, a probabilidade de ser carta fora do baralho é muito maior. Você tem de ter pensamentos que gerem ideias. Você tem que ter muitas ideias. E quando você faz isso individualmente, ou seja, naturalmente, você começa a exercitar isso e assim pensar no futuro.

M+T: Qual é o papel da tecnologia para conseguir traçar esses futuros plurais?
BC:
As tecnologias nos aceleram. Elas existem desde que o homem existe, mas agora a gente se refere a elas mais como tecnologia de aceleração. Você precisa entender o que elas fazem para você poder ou trabalhar com elas, ou fazer trabalhar para você ou aumentá-las, ou seja, criar coisas novas com elas. Se você não sabe o que é blockchain, por exemplo, vai ser difícil você imaginar fazer algo que use blockchain. Se não sabe o que é Inteligência Artificial, também vai ficar difícil. A gente não tem de ter medo da tecnologia, mas tentar entendê-la o mais rapidamente possível para utilizar a nosso favor.

Confira outras entrevistas exclusivas com os participantes do Amcham Talks 2019

Perguntas sobre inovação para André Oliveira, da Embratel
Victor Navarrete, da ACE Startups, fala sobre a corrida pela inovação na Amcham Talks 2019
Nara Zarino, do iFood, fala sobre espírito de startup na Amcham Talks
Tulio Kehdi, da Raccoon, fala sobre LGPD e segurança dos dados na Amcham Talks 2019
Thiago Chueiri, da PayPal, fala sobre experiência do usuário na Amcham Talks 2019
Arthur Rufino, CEO da JR Diesel, fala sobre inovação e negócios sociais na Amcham Talks 2019
Simone Kliass e Jason Bermingham falaram sobre assistentes virtuais na Amcham Talks 2019
Guilherme Leonel, da LexDesign, fala sobre como a inovação pode transformar e humanizar o direito na Amcham Talks 2019
Sérgio Alexandre, da PwC, fala sobre ser digital na Amcham Talks 2019
Felipe Barreiros, da Vaivoa, fala sobre como é empreender no Brasil na Amcham Talks 2019
João Maia, da Venturus
Bruno Bragazza, da Bosch, fala sobre os aprendizados que empresas podem ter com startups na Amcham Talks 2019

Foto: Matheus Campos/Amcham Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *