Pessoas apontando o dedo para a tela de um smartphone para exemplificar a transformação digital

As barreiras para a transformação digital de uma empresa (e como superá-las)

*por Devanil Rueda, Gerente de Soluções Verticais da Embratel

As empresas não podem mais negar a importância da transformação digital para os seus negócios. É fato: é esta transformação quem vai ditar o sucesso ou o fracasso das organizações nos próximos anos.

Imagine a sua empresa em um intervalo de uma década. Se você atua sem inovar durante esse período, é grande a chance de uma disrupção ser gerada e seu negócio virar uma nova Kodak por exemplo. Para quem não sabe da história, a Kodak fechou as portas para a inovação, quando em 1989, seu engenheiro Steven Sasson e seu colega Robert Hills criaram a primeira câmera digital DSLR. Ao apresentarem aos seus chefes, a inovação foi recusada, pois ela seria a disrupção do processo analógico de vendas de filmes e das revelações, negócio de ouro da Kodak até aquele momento.

Sabemos que a transformação digital no Brasil não é fácil. Muitas regras, legislações e burocracias que atrapalham (ou atrasam) a implementação de uma inovação em uma empresa.

Mas é preciso pensar também que há uma dificuldade em entender que a transformação digital não é apenas adotar novas tecnologias, existem outros pontos importantes a serem trabalhados.

Transformação digital não é apenas adotar novas tecnologias.

Quando falamos de transformação digital, falamos da forma como pessoas com a cultura digital, associam tecnologia aos processos das organizações para resolverem problemas e gerarem valor para seus clientes.

Estes quatro pilares – pessoas, processos, cultura e tecnologia – serão decisivos para as organizações conseguirem implementar a transformação digital. E eu explico o porquê:

Pessoas
A falta de investimento na educação nos traz hoje uma escassez de mão de obra especializada e esta é uma grande barreira da transformação digital no Brasil. Contratar e treinar talentos com o fit cultural digital é uma das premissas para a empresa conseguir caminhar com sua transformação.

O Gartner divulgou uma lista com as principais competências e habilidades que este novo perfil de profissional necessita:

  • Adaptabilidade: demonstra flexibilidade, agilidade e a habilidade para responder efetivamente à mudança de ambientes.
  • Sagacidade: demonstra consciência das dinâmicas internas e externas com uma percepção apurada das questões relacionadas aos negócios.
  • Destreza digital: demonstra a habilidade para impulsionar e manipular mídias, informação e tecnologia por meios únicos e inovadores.
  • Estímulos dos resultados: focado nos resultados de negócios desejados. Define e alcança metas desafiadoras.
  • Colaboração/sinergia: exemplifica a colaboração entre membros de equipes formais e informais na busca de uma missão comum, visão, valores e metas.

Processos
Muitas pessoas ainda são resistentes à transformação digital por pensar que isso trará falta de processos e controle.

Mas a transformação digital não significa deixar de ter processos. É preciso automatizá-los para trazer modernidade ao negócio, corrigir aqueles que já não funcionam com a agilidade e as necessidades atuais.

Cultura
“A cultura engole a estratégia no café da manhã”. A frase de Peter Drucker, o “pai” da teoria da administração, nunca esteve tão atual. Se sua estratégia for inovação, você também corre o risco de ser engolido pela cultura da sua própria organização. É preciso criar um novo posicionamento para as tomadas de decisões, com maior agilidade em todos os níveis da empresa.

Algumas ações para sucesso na mudança cultural são:

  • Liderança ativa;
  • Comunicação clara;
  • Áreas integradas;
  • Treinar e empoderar profissionais na direção da cultura digital;
  • Colaboração para fomentar a transparência e engajar os profissionais.

Tecnologia
Vista como protagonista, a tecnologia será, na verdade, o meio utilizado para avançar na transformação digital. Mesmo hoje muito acessível, algumas empresas ainda enxergam a tecnologia apenas como custo na hora de se planejar, sem perceber o valor que poderá ser criado para o seu cliente.

Quer exemplos? Um autoatendimento mais eficaz, uma inteligência artificial que possibilita a oferta de produtos de forma mais assertiva ou até mesma uma melhor experiência por meio de um serviço prestado automaticamente, evitando o deslocamento do seu cliente até sua empresa.

Abaixo alguns benefícios que podem ser facilmente percebidos quando a tecnologia é bem aplicada:

  • Aumento de Efetividade e Eficiência;
  • Aumento de Produtividade;
  • Melhor experiência para o cliente;
  • Melhoria de controles;
  • Melhoria de qualidade.

Mapeando bem os pontos citados acima a empresa pode começar a fomentar seu projeto de transformação. O ideal é começar com pequenos passos, embora algumas indústrias esperem por uma transformação imediata. Ou seja, é preciso entender as necessidades da organização e definir qual setor iniciará ou será o grande fomentador do processo, seja o time de TI, Marketing, RH ou outro.

Para grandes empresas é importante também a abertura para o Open Innovation, o que significa ter apoio de ecossistemas de inovação, centros tecnológicos, startups e outros parceiros para ampliar os esforços em inovação (sem a influência do vício da cultura organizacional) e adaptar as soluções encontradas para os demais setores de uma empresa.

Sua empresa já está pronta para se transformar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *