Novidades do Futurecom 2018

Dentre as coisas mais odiadas pelos gamers – e elas são muitas, indo de upgrades caros a problemas com hardware, o LAG (Latency at Game) costuma aparecer no topo da lista. Um experimento da Ericsson em conjunto com a operadora Claro no Futurecom (Feira e Congresso Internacional de Telecomunicações, Tecnologia da Informação e Internet, que aconteceu entre 28 e 31 de outubro na capital paulista) mostrou que é possível solucionar o problema com a utilização da tecnologia 5G, uma das promessas mais aguardadas por milhões de jogadores em todo o mundo.

Ainda em fase de testes no mundo todo, o 5G é a próxima geração de rede móvel. As principais características são mais velocidade, maior eficiência e baixa latência. A velocidade pode ultrapassar 20 Gbps, contra os atuais 1 Gbps da rede 4G. Em termos de eficiência, a tecnologia possibilita que dispositivos com consumo energético elevado funcionem por longos períodos sem necessidade de recarregamento, uma característica importante para a Internet das Coisas. Por fim, a latência média é de 1 milissegundo para transferência de dados, muito menor que na rede 4G, na qual o tempo médio é de 50 milissegundos.

Para mostrar a potência da nova tecnologia, as duas empresas montaram um cenário no São Paulo Expo, palco do evento, composto por um chroma key com fundo verde onde jogadores com dois consoles sem fio simulavam um jogo de espadas. Quem estava ao redor pôde assistir ao desempenho dos jogadores em um telão, que projetava o cenário visto pelo jogador, incluindo as espadas e a reprodução de seus movimentos. Tudo isso com transmissão de dados em tempo real, utilizando uma rede 5G de 28Ghz.

Luis Ferreira, CTO para Atendimento ao Grupo Claro Brasil na Ericsson, explica que a rede de 28Ghz não será utilizada no Brasil, mas já está em testes nos Estados Unidos, na Europa e na Coreia do Sul. Diferente da rede na frequência 3,5Ghz, que está para ser liberada para operadoras brasileiras através de uma licitação pública a ser realizada em 2019, a rede em 28Ghz não sofre interferência de outras frequências e aparelhos, o que garante maior segurança em sua utilização.

“A diferença é que essa frequência tem um alcance menor, então é necessário instalar uma quantidade maior de antenas para distribuir o sinal”, explica Ferreira. O governo brasileiro já reservou parte da banda da frequência de 28Ghz para uso com satélites, por isso essa frequência não deve ser aberta, ao menos nos próximos anos.

Além de garantir jogos velozes em tempo real, o 5G traz outros benefícios que reforçam as conveniências da nova tecnologia. “Uma das grandes vantagens do 5G é o FWA, ou Fixed Wireless Access, que garante a chegada da internet na casa das pessoas sem necessidade de cabos ou fibra, apenas utilizando aparelhos wireless”, explica Ferreira.

O especialista lembra ainda que o 5G possibilitará a utilização do EMBB (Enhanced Mobile BroadBand), que promete ser uma das primeiras aplicações comerciais da banda. O EMBB combina as redes 4G e 5G para oferecer uma internet muito mais rápida por preços até 10 vezes mais baratos por gigabyte trafegado.

“Você pode usar em conjunto a rede 5G para download, e a rede 4G para upload, com os mesmos equipamentos. Isso acelera a implementação da experiência 5G para os usuários aproveitando recursos já existentes, e garante também a evolução da rede 4G já instalada”, explica o especialista.

“A Claro está se preparando de diversas formas para um futuro mais conectado e interativo com seus clientes”, diz Paulo César Teixeira, CEO da Claro. “Realizar testes como este é um passo importante para entendermos as dimensões do 5G. Através deste game experience, queremos aproximar e demonstrar aos nossos clientes os próximos passos da operadora no futuro da conectividade”.

Entenda melhor

Em computação, latência, ou ping, é a palavra utilizada para descrever o tempo total que um pacote de dados leva para viajar de um ponto a outro e dar a volta a seu ponto de origem. Entre gamers, o termo LAG (Latency at Game, na sigla em inglês) compreende o deslocamento de um pacote de dados de sua origem até seu destino. Se a demora na transferência desse pacote ultrapassa alguns segundos, ou até mesmo uns poucos milésimos de segundo, fala-se em alta latência – o que, em um jogo em tempo real, pode acabar com a brincadeira.

Na hora de jogar, a alta latência significa que, se o pacote de imagens do seu oponente, que pode ser alguém jogando do outro lado do país ou mesmo do mundo, chega com demora, você perde a sincronia do jogo e pode, por exemplo, levar um tiro ou ser atingido por uma espada antes mesmo de saber que a arma estava apontada para você.

O LAG pode ocorrer por vários motivos: falta de capacidade de processamento do hardware de origem ou de destino, problemas de conectividade por parte de um dos jogadores, jogo com muitos detalhes, pesado, que dificulta o trabalho do computador, grande distância entre a origem e destino dos pacotes. A maior causadora de LAG, no entanto, é a internet: conexões sem velocidade de resposta ou sem banda suficiente não dão conta de distribuir os pacotes e acabam se tornando gargalos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *